RSS
Notícias
Comentários

Olavo Narkevitz Júnior, Aldo Demarchi, José Olímpio Zumpano e o novo legista, Helton Carlos de Almeida

O novo legista do Instituto Médico Legal de Rio Claro, Dr. Helton Carlos de Almeida, foi nomeado na última sexta-feira (11) e apresentou-se oficialmente ao chefe da equipe local, Dr. Olavo Narkevitz Júnior, no início da semana. Nesta quarta-feira (16), ambos, mais o Dr. José Olímpio Zumpano, receberam a visita do deputado estadual Aldo Demarchi, um dos responsáveis pela designação de Almeida para o IML da cidade, conforme solicitação apresentada em 27 de março à superintendente da Polícia Técnico-Científica, Norma Sueli Bonaccorso.

“Naquela oportunidade, fomos informados de que uma turma com cerca de de 40 legistas concluiria o curso de formação na primeira quinzena de abril. Logo em seguida, o médico viria para o município, o que acaba de ser confirmado”, destaca o deputado. Ele anunciou ainda que o responsável pelo IML na região de Campinas, João Roberto Miller, também destacará um auxiliar de necrópsia para Rio Claro nos próximos dias.

O deputado reafirmou que está garantida a construção de um prédio para o IML com 3 mil metros quadrados, segundo projeto exibido pela superintendente Norma Bonaccorso. “Serão investidos 3 milhões de reais e ficou definido que a obra será realizada no terreno que o Estado havia cedido à Prefeitura, na rua 6, entre avenidas 23 e 25″, disse Demarchi. Ele conversou novamente com o prefeito Du Altimari nesta quarta-feira (16) sobre a devolução da área, que mede aproximadamente 7 mil metros quadrados. “O prefeito se comprometeu a elaborar o documento para formalizar o distrato imediatamente”, acrescentou o deputado.

Treinamento

O Dr. Helton Carlos de Almeida é um dos 43 médicos legistas aprovados em concurso público que passaram por quatro meses de curso de formação na Academia de Polícia Civil Dr. Coriolano Nogueira Cobra (Acadepol). Entre as suas atribuições estão autópsias, exumação de corpos, pesquisas necroscópicas, exames de corpo de delito e outros tipos de perícias.

Ruy Philadelpho Machado Filho, Aldo Demarchi e Vicente José Claro, ao lado do ônibus destinado à APAE

O padre Everson Damian Lunardi recebe de Aldo Demarchi chaves do Fiat Dobló

O deputado estadual Aldo Demarchi participou nesta terça-feira (15), em São Paulo, da cerimônia de entrega de 272 ônibus para o transporte escolar de crianças e jovens com deficiência motora, visual, mental ou auditiva. Foram contempladas as Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAEs) e entidades assistenciais que atendem autistas. Uma das APAEs beneficiadas é a de Rio Claro, representada no evento pelo presidente, Ruy Philadelpho Machado Filho, e pelo coordenador jurídico, Vicente José Claro. “Creio que essa é uma das melhores aplicações dos recursos públicos e fico satisfeito em poder apresentar emendas orçamentárias que garantam verbas para suprir parte das necessidades dessas instituições”, diz o deputado.
Com três modelos de veículos (10, 15 e 23 lugares), a frota aprimora o serviço oferecido aos 28 mil alunos atendidos em instituições conveniadas com o Estado de São Paulo. “Todos têm plataformas elevatórias. Se tiver uma criança com cadeira de rodas, ela será colocada em segurança no ônibus e micro-ônibus”, destacou o governador Geraldo Alckmin na solenidade. O investimento para a aquisição dos veículos foi de R$ 37,3 milhões.
ASILO SÃO VICENTE
Já nesta quarta-feira (16), Aldo Demarchi entregou as chaves de um Fiat Doblô zero quilômetro ao padre Everson Damian Lunardi, presidente e diretor financeiro do Abrigo da Velhice São Vicente de Paulo, e à gerente geral carina Bonini. O automóvel foi adquirido por meio de emenda parlamentar no valor de R$ 50 mil destinada pelo deputado à entidade que assiste idosos em Rio Claro.
AGRADECIMENTO
Os responsáveis pela APAE e pelo Abrigo da Velhice São Vicente de Paulo agradeceram ao deputado pelo ônibus escolar e pelo Fiat Doblô, bem como por apresentar todos os anos emendas orçamentárias não apenas para as duas entidades, mas para diversas instituições de Rio Claro e região. “É importante esse reconhecimento, principalmente porque faço questão de divulgar esse tipo de notícia apenas a partir de fatos concretos para não criar falsas expectativas”, observa Aldo Demarchi.

A encenação será realizada pela sexta vez (arquivo)

Marcada para esta sexta-feira (18), às 19h30 e 21h30, no Estádio Municipal “Augusto Schmidt Filho”, a encenação teatral “Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo de Rio Claro”, realizada anualmente durante a Semana Santa, faz parte do Calendário Turístico do Estado de São Paulo. Em outubro de 2011, o governador Geraldo Alckmin sancionou a Lei 14.563, resultante do Projeto de Lei 216/2011, de autoria do deputado Aldo Demarchi (DEM), que atendeu solicitação do vereador Julinho Lopes (PP). A celebração, ressalta o deputado na justificativa da proposta, “tem como objetivo promover as artes culturais que dão vida aos eventos sobre o nascimento, trajetória e morte de Jesus Cristo e sua importância mística para a humanidade.”

No texto, Aldo Demarchi observa que a apresentação teatral intitulada “Dores do Filho, Lágrimas de Deus” é promovida pelas comunidades das Paróquias Nossa Senhora Aparecida, Imaculado Coração de Maria, São José Operário e Nossa Senhora da Saúde. “O objetivo central é fazer com que a comunidade possa viver a Paixão de Cristo, que é muito tradicional para os cristãos. A paixão de Cristo é um dos rituais mais eloquentes de nossa tradição religiosa”, observa o deputado. “Grandiosos cenários principais, outros secundários e um conjunto sofisticado de som e iluminação fazem o pano de fundo para a encenação, que costuma contar com 200 atores e figurantes. A intenção é colocar Rio Claro no circuito dos grandes eventos religiosos”, registra o parlamentar.

O deputado Aldo Demarchi participou no último sábado (12) das comemorações pelos 22 anos da Nhandeara Leilões, localizada na região de São José do Rio Preto. “Vim prestigiar o amigo Arariba Alves Ferreira, um dos sócios da empresa e nosso correligionário na cidade de Nhandeara e arredores”, comenta o deputado, que viajou cerca de 350 quilômetros com a esposa, dona Candinha Demarchi, para o evento.
Algumas imagens do leilão festivo estão disponíveis no link http://aldodemarchi.com/site/?page_id=2854

Restrição foi discutida durante reunião nesta segunda-feira

Nos próximos dias, será encaminhado à Câmara Municipal de Corumbataí um projeto de lei para restringir o tráfego de caminhões na Estrada Vicinal “Nicolau Marotti”, que liga a cidade aos distritos de Ferraz e Ajapi, em Rio Claro. O assunto foi discutido nesta segunda-feira (07), durante reunião entre o deputado estadual Aldo Demarchi, integrante da Comissão de Transportes e Comunicações da Assembleia Legislativa, o prefeito Vicente Rigitano, o vice Leandro Martinez, o secretário de Esportes, Luís Mancini, o vereador Daniel Borgo, a diretora superintendente da Centrovias, Olga Cotrim, o gerente de Operações da Centrovias, William Castro, e o coordenador de Engenharia da Centrovias, Emerson Granzotti.
“Há cerca de seis anos, o Governo do Estado, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem, o DER, investiu cerca de R$ 5 milhões na recuperação de toda a vicinal, mas não adiantou”, recorda Aldo Demarchi. Depois disso, a Prefeitura também aplicou recursos para cobrir os buracos, mas o peso dos caminhões deteriorou o pavimento em pouco tempo.
Diante disso, a restrição aos veículos pesados é apontada como única alternativa para resolver o problema. “Há poucos anos, fizemos uma pesquisa e 89% dos entrevistados apoiaram esse tipo de medida”, recorda o vice prefeito Leandro Martinez.
A Centrovias assumiu o compromisso de oferecer o apoio logístico que a Prefeitura necessitar, pois a aprovação da lei vai contribuir não apenas para melhorar as condições gerais da “Nicolau Marotti”, como evitará a fuga do pedágio mantido pela concessionária na Rodovia Washington Luís (SP-310), quase na divisa de Rio Claro e Corumbataí.


Adilson do Portal e Aldo Demarchi, ao lado da torre

A Telefônica Vivo ativa nova antena 3G no município de Ipeúna, região de Rio Claro, para levar o acesso a serviços de voz e transmissão de dados em alta velocidade ao condomínio Portal dos Nobres. Essa conquista é resultado de um trabalho iniciado há cerrca de cinco anos pelo vereador Adilson do Portal, que em outubro do ano passado ganhou o apoio do deputado estadual Aldo Demarchi. “O deputado conseguiu a aprovação de um requerimento peloz doze integrantes da Comissão de Transportes e Comunicação para cobrar da empresa Vivo a solução dos constantes furtos de cabos telefônicos”, informa o vereador.

Essa antena que acaba de entrar em funcionamento não resolverá todos os problemas, mas é considerada um passo importante para atender as necessidades dos moradores. “A torre oferece a possibilidade de instalação de equipamento com tecnologia FWT, o que poderá resolver também o problema da telefonia fixa”, esclarece Adilson do Portal.

Aproximadamente 350 clientes poderão, além de fazer e receber chamadas, acessar a internet e ter à disposição todas as facilidades que ela proporciona. “Nosso objetivo é levar conexão a um número cada vez maior de pessoas”, afirma João Truran, diretor da Regional São Paulo da Vivo.

Ao lado do governador Geraldo Alckmin, deputado Aldo Demarchi discursa em Araras

Na semana em que completa 143 anos de fundação, Araras ganha uma unidade do Poupatempo. Inaugurada nesta sexta-feira, 28, pelo governador Geraldo Alckmin, o programa vai beneficiar mais de 240 mil pessoas. “Nós estamos inaugurando o Poupatempo que vai atender a toda a população de Araras, Conchal, Leme, Santa Cruz da Conceição e Cordeirópolis. O atendimento mensal passa de 5 mil para 13 mil”, explicou o governador, ao lado do deputado estadual Aldo Demarchi, um dos incentivadores do programa.
O posto irá funcionar de segunda a sexta, das 8h às 17h, e aos sábados das 8h às 12h. Todos os serviços comuns a uma unidade do Poupatempo serão oferecidos, como a emissão da Carteira de Identidade (RG) e Atestado de Antecedentes Criminais pelo IIRGD (Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt); e a Carteira de Trabalho, emitida por intermédio da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho.
O novo Detran-SP também estará à disposição para assuntos ligados à Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e a veículos. Uma das novidades do órgão no local é que quem tirar a primeira carteira de motorista não usará mais papel e caneta para fazer o exame teórico, pois esse passará a ser no formato eletrônico.
Outros serviços virtuais, como a Nota Fiscal Paulista, B.O Eletrônico e consultas à Secretaria da Fazenda podem ser feitos pelo e-poupatempo. E a unidade bancária no local facilita o cidadão no recolhimento das taxas geradas pelo posto, cuja capacidade de atendimentos pode chegar a mil por dia.
O Programa já prestou mais de 388 milhões de atendimentos. Atualmente conta com 36 unidades instaladas na Capital, Grande São Paulo, Litoral e Interior.
Moradias
Os moradores da cidade também serão beneficiados com a construção de 680 moradias para famílias de baixa renda, conforme anunciou o governador.
Cada moradia terá área total de 45,34 m² e área útil de 43,28 m². O empreendimento será construído pela parceria do Governo do Estado, por meio da Casa Paulista, e o Governo Federal, pelo Programa Minha Casa Minha Vida. O investimento total é de R$ 57,2 milhões, dos quais R$ 9,6 milhões são do Estado, a fundo perdido, e R$ 47,6 milhões da União.
Todas as moradias serão destinadas às famílias com renda mensal de até R$ 1.600. Os beneficiados terão 120 meses para quitarem o imóvel. A menor prestação é de R$ 25 por mês e a maior de R$ 80.
Hospital Filantrópico São Luiz
Alckmin também divulgou repasse de R$ 1,2 milhão ao Hospital Filantrópico São Luiz para garantir mais atendimentos à população. O valor, relativo ao novo programa de auxílio às Santas Casas e hospitais filantrópicos do Estado de São Paulo é cinco vezes maior que os recursos que o hospital recebe do SUS (Sistema Único de Saúde).
Pelo novo programa, a Santa Casa se tornará um “hospital de apoio” do SUS e irá se consolidar como um serviço de auxílio aos hospitais referência da região de Piracicaba.
Além do novo incentivo financeiro, o Hospital São Luiz, de Araras, ainda continuará recebendo, mensalmente, mais R$ 22 mil por meio do Programa Estadual Pró-Santas Casas. “Nós já temos um programa chamado Pró Santa Casa que liberava 22 mil por mês, agora nós estamos liberando R$1,2 milhão e mantendo o Programa. Então teremos quase R$1,5 milhão só para ajudar com custeio”, explicou.
Na região, além do Hospital São Luiz, mais oito entidades filantrópicas serão beneficiadas pelo programa de auxílio financeiro às Santas Casas e receberão, somente neste ano, um total de R$ 51,6 milhões.
Em 2014 as Santas Casas e hospitais filantrópicos de todo o Estado irão receber R$ 535 milhões extras em recursos da Secretaria, o que representa o dobro em relação ao auxílio encaminhado nos últimos anos.
O governador ainda assinou com a prefeitura  de Araras três convênios para o Programa Creche Escola e entregou 2 novos ônibus escolares. Alckmin também autorizou a construção de três Pontes Metálicas e entregou 31 viaturas da Polícia Civil para reforçar a investigação policial na região.
SERVIÇO
Poupatempo de Araras
Rua da Consolação, 79, Jardim Belvedere
Atendimento de segunda a sexta, das 8h às 17h, e aos sábados, das 8h às 12h

Prédio do IML será construído em terreno na rua 6, entre avenidas 23 e 25

Durante reunião na última quarta-feira (27), em São Paulo, com a superintendente da Polícia Técnico-Científica, Norma Sueli Bonaccorso, o deputado estadual Aldo Demarchi conseguiu a designação de mais um médico legista para o Instituto Médico Legal de Rio Claro. “Uma turma com cerca de de 40 profissionais concluirá o curso de formação na primeira quinzena de abril. Logo em seguida, o médico virá para o município”, destaca o deputado.
Outro resultado do encontro foi o compromisso de que as atuais instalações do IML, que funciona ao lado do Cemitério São João Batista, sejam reformadas e modernizadas. “Entre as providências necessárias está a mudança do acesso ao necrotério, pois atualmente a porta de entrada é pelo velório municipal”, comenta Aldo Demarchi.
Esta solução, porém, é provisória. Segundo o deputado, já está garantida a construção de um novo prédio para o IML com 3 mil metros quadrados, conforme projeto exibido pela superintendente Norma Bonaccorso. “Serão investidos 3 milhões de reais e ficou definido que a obra será realizada no terreno que o Estado havia cedido à Prefeitura, na rua 6, entre avenidas 23 e 25″, ressalta Demarchi. Ele já conversou com o prefeito Du Altimari sobre a devolução da área, que mede aproximadamente 7 mil metros quadrados. Por situar-se em frente ao Cemitério Evangélico, o local será facilmente aprovado pela vigilância sanitária.
Também participaram da reunião João Roberto Miller que responde pelo IML na Região de Campinas, Ricardo Kirche Cristofi, diretor do IML do Estado de São Paulo, Celso Domene, da diretoria do Centro de Perícias do IML, e o vereador Juninho da Padaria.

Aldo e Juninho conheceram o projeto do novo IML de Rio Claro

A polêmica envolvendo o local onde atualmente funciona o necrotério municipal, a necessidade do envio de médico legista para a cidade e a construção do novo local para o Instituto Médico Legal (IML) e o Instituto de Criminalística (IC) foram debatidas nesta quarta-feira, 27, na sede da Superintendência da Polícia Técnico Científica, em São Paulo.

Na reunião com a superintendente Norma Sueli Bonaccorso estiveram presentes o vereador Juninho da Padaria, deputado estadual Aldo Demarchi, João Roberto Miller que responde pelo IML Região Campinas, Ricardo Kirche Cristofi – médico legista diretor do IML do Estado de São Paulo e Celso Domene da diretoria do Centro de Perícias do IML.

Juninho da Padaria entregou material fotográfico que comprova a precariedade do necrotério que atualmente na mesma área que o Velório Municipal. O parlamentar explicou a Norma Bonaccorso que tal situação gera constrangimento às pessoas que velam seus entes queridos. “Registramos recentemente situação constrangedora. Forte odor, causado por corpo em estado de decomposição no necrotério, causou revolta às pessoas que estavam no velório”, disse o vereador.

Para Aldo Demarchi, é preciso tomar providência com urgência para no mínimo amenizar o problema enquanto a obra do novo IML não se torne uma realidade. “Defendo que a porta do necrotério que dá acesso ao corredor do velório deixe de existir. É preciso isolar o necrotério construindo uma parede neste local. Vamos conversar esta situação com o prefeito Du Altimari”, afirmou.

Juninho da Padaria solicitou à Superintendência da Política Técnico Científica o envio de médico legista para Rio Claro. Ele frisou na reunião que dos quatro profissionais que atuavam na cidade apenas dois estão na ativa. “A população cobra com razão. Temos quase 200 mil habitantes sem contar os municípios vizinhos e apenas dois legistas”, disse.

Norma Bonaccorso comentou que 43 médicos legistas vão se formar na primeira quinzena de abril e destes seis profissionais serão designados para a regional do IML de Campinas. “Precisamos que vocês enviem no mínimo um profissional para Rio Claro”, solicitaram Demarchi e Juninho.

Diante da solicitação, a superintendente solicitou a João Roberto Miller Junior que faça o atendimento. “Vivemos um momento difícil já que há 30 anos que os concursos para a contratação de profissionais não eram realizados. Temos muitas cidades em situações críticas, mas, atenderemos Rio Claro com o envio de um legista”, disse Norma Bonaccorso. “A formação destes profissionais está marcada para o dia 14 de abril. Logo na sequência, um deles será designado para Rio Claro”, acrecentou.

Novo IML

Com relação à construção do novo IML em Rio Claro, a superintendente da Polícia Científica foi informada por João Miller da possibilidade da obra ser realizada em área do Estado que encontra-se em poder da Prefeitura Municipal por meio de uma concessão. O local situa-se entre as Ruas 5 e 6 e Avenidas 23 e 25.

Norma explicou para Juninho da Padaria e Aldo Demarchi que a Superintendência já conta com planta padrão para a realização da obra em Rio Claro. Cópia da planta foi entregue para a comitiva local. Segundo ela, a área citada comporta a obra já que são necessários no mínimo 3 mil metros quadrados – a área conta com 7 mil metros quadrados.

“A exemplo do que ocorreu em Fernandópolis, Botucatu, Bebedouro, Americana, Assis, Bragança Paulista, entre outros municípios, Rio Claro precisa disponibilizar a área para o Estado. A partir daí, é definido o projeto executivo e realizado o processo licitatório para a realização da obra”, detalhou Norma.

No caso de Rio Claro, a superintendente explicou que a obra vai contemplar prédio para o novo IML e também terá espaço para o Instituto de Criminalística (IC). A construção, de acordo com o setor de engenharia da Superintendência, está orçada em R$ 3 milhões.

O deputado Demarchi adiantou que vai estar reunido com o prefeito Du Altimari nos próximos dias para que a situação possa ser resolvida o mais rápido possível. “Estamos conversando com governador do Estado para que os R$ 3 milhões sejam disponibilizados para Rio Claro. Em contrapartida, cabe ao município encaminhar os trâmites burocráticos para que a área possa ser devolvida ao Estado”, sinalizou o parlamentar.

Juninho da Padaria comentou que o assunto merece atenção especial da Câmara Municipal. Segundo ele, assim que o projeto for enviado, liberando a área para o Estado, será aprovado.

Para Norma Bonaccorso, o restante da área, cerca de 4 mil metros quadrados, deve ser mantida como reserva para expansão futura tanto do IML quanto do IC. Segundo ela, hoje Rio Claro faz parte da Regional de Campinas mas em um futuro não tão distante poderá se tornar uma regional. “Daí a importância de se deixar o restante da área no momento sem utilização”, disse.

A Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa, que tem a participação do deputado Aldo Demarchi, debateu nesta terça-feira, 25/3, durante audiência pública, os riscos de racionamento no fornecimento de água na chamada macrometrópole paulista, formada pelos municípios de São Paulo, imediações de Sorocaba, Campinas e Baixada Santista. É essa a região mais diretamente afetada pelo baixo nível dos reservatórios de água que formam o sistema Cantareira.

O deputado Alencar Santana (PT), presidente da comissão, comunicou aos presentes que a realização dessa audiência deveu-se às notícias alarmantes sobre a possibilidade de racionamento e, “queremos tirar dúvidas sobre medidas tomadas ao longo dos anos para que o povo paulista não sofra com a falta de água”.

Paulo Massato, diretor Metropolitano, representante da superintendente da Sabesp, Dilma Pena – ela justificou sua ausência devido a problemas familiares ” explicou que a empresa atende 4,3 milhões de ligações de água na Região Metropolitana de São Paulo. A região, que compreende 37 municípios, abriga 20 milhões de habitantes.

Segundo Massato, o censo do IBGE de 1991 a 2000 mostrava decréscimo do crescimento demográfico nessa região, ou seja, evasão da população nessa região. Com base nesses dados foi elaborado plano diretor para 2020. Já no censo de 2010, essa situação se inverteu. São Paulo voltou a ter crescimento populacional, em detrimento dos municípios periféricos.

Massato mostrou em gráficos esses dados e destacou o aumento da temperatura, a partir do final de novembro de 2013, até os níveis críticos de fevereiro deste ano para justificar a situação de baixo volume de água nos oito centros produtores, sendo o Cantareira o maior deles.

“Fortes temperaturas, altíssimo consumo de água”, disse, ao citar ainda a falta de chuva, ocasionada por um fenômeno global conhecido como zona de alta pressão, que mexeu com o clima em todo o mundo.

Ações do governo

O diretor da Sabesp listou, como ações para diminuir o impacto dessa situação, as campanhas junto à população no sentido de dar desconto na conta de água para aqueles que reduzirem o consumo, a captação do volume morto dos reservatórios de Atibainha e Jaguary e transferência de áreas antes abastecidas pelo sistema Cantareira, para o Guarapiranga. Referiu-se também à construção de reservatórios e a interligação de barragens, como obras “relativamente simples”.

Falta de água e contaminação

José Eduardo Campos Siqueira, diretor da FNU-Federação Nacional dos Urbanitários, ex-funcionário da Sabesp, lembrou que altas temperaturas, estiagem e falta de chuvas ocorreu também em 1953/54. Na época realizaram-se obras. “São Paulo remunera as crises desde então”, falou, ao explicar que após as crises, sucedem-se obras. Alertou sobre o fato de que a continuar a situação atual, e a menos que chova a níveis improváveis, haverá rodízio.

Se houver rodízio, haverá necessidade de monitoramento da qualidade da água, de desinfecção, alertou, “para não oferecer espaço para doenças de veiculação hídrica.

“Acho que a Sabesp não faz jus a sua pujança empresarial em termos de planejamento. É melhor otimizar o que já tem”, declarou, ao apresentar, como alternativa viável, a retomada de projetos abandonados, como a recuperação de pequenas vazões.

Para o diretor da FNU, a detecção e eliminação de perdas, bem como a despoluição dos rios Tietê e Pinheiros são soluções. Demandam despesas como construção de dutos, no primeiro caso, mas o projeto Tietê, no papel desde 1970, propõe a recuperação das águas desse rio, até o nível que possa ser usado pelo ser humano.

Água é agenda baixa

Vicente Andreu Guillo, diretor-presidente da Ana-Agência Nacional de Águas foi o terceiro palestrante da audiência, antes da manifestação dos oito deputados presentes em um momento ou outro ” Gerson Bittencourt, Geraldo Cruz, José Zico Prado, Marcos Martins, Ana do Carmo e João Paulo Rillo, todos do PT; e Alex Manente, do PPS.

Ele afirmou que a agenda da água não ocupa grandes discussões na mídia ou junto aos poderes constituídos. E, muitas vezes, a agenda da água é vinculada ao seu uso, ou seja, irrigação e saneamento.

“Hoje, vamos tratar da água bruta, enquanto presente nos mananciais”, disse, antes de explicar a atuação da Ana e todo o complexo que rege a questão do domínio de estados e federação quando se trata de nascentes, rios e reservatórios. Exemplificou com os casos do rio Paraíba, que nasce em Campos (RJ) e tem vertentes tanto no Rio como em São Paulo; ou o próprio rio Tietê, que nasce em São Paulo, mas morre no rio Paraná. “São problemas que envolvem conflitos e arranjos”, resumiu.

Lembrou que a população do Sudeste não tem o cotidiano de lidar com o problema da falta de água, raro na região, mas que “a ação das pessoas é procurar soluções e elas existem”. Frisou que juntar as informações dos estados do Rio, Minas, São Paulo e Paraná para se chegar a um acordo é importante e que decisões arbitradas terão pouco tempo de duração, porque não terá a legitimidade do usuário.

Ao final de sua palestra, o diretor-presidente da Ana disse estar apreensivo com o temor das declarações dos governos, “mas não podemos nos deixar contaminar pelo processo eleitoral”.

Publicação Mais Antigo »